domingo, 15 de dezembro de 2013

Capítulo 13 – The Rocker That Holds Me – MARATONA

Eu não tenho amigas. Fui praticamente criada por quatro roqueiros. Não é de admirar que eu não tenho interesse em compras. Ontem à noite foi a primeira vez que eu alguma vez quis ter um vestido. Este bebê está me fazendo perder a cabeça!
Tudo o que eu quero é me sentir bonita, sexy. Mas não quero perder quem eu sou. Eu não quero vestidos de grife. Provavelmente vomitaria se eu gastasse mais de uma centena de dólares em uma roupa. Então acabei no shopping.
Em um shopping em uma quarta-feira em uma cidade turística... Isso foi uma boa ideia? Não!
Você tem ideia de quantas meninas adolescentes estão em um shopping em uma quarta-feira durante o verão? Bem, eu com certeza não tinha, e acho que Joe não tinha a menor ideia também. Então, quando entramos na loja American Eagle e a menina de vendas que estava de pé com uma camisa meia dobrada em suas mãos gritou eu quase pulei para fora da minha pele, porque não estava esperando isso.
— Ohmeusdeus. Ohmeudeus. Ohmeudeus! — A menina estava na frente de Joe antes que eu pudesse descobrir de onde o grito tinha vindo. — Você é Joe Jonas. — Ela gritou novamente, fazendo com que todo mundo na loja e fora parasse para ver o que estava acontecendo. — Eu sou tipo a sua maior fã de todas. Sou Meg.
Eu sabia naquele momento que não ia conseguir comprar nada naquele dia. Parecia que assim que Meg disse seu nome em voz alta, ele foi cercado por meninas ofegantes. Uma de fato me empurrou para fora do caminho para que ela pudesse chegar até ele. Mãos estavam em cima dele, querendo ter a memória de tocar o roqueiro que provavelmente ocupava seus imaturos sonhos molhados.
Eu tive que esconder meus sentimentos por Joe durante anos. Mesmo quando estava me matando por dentro, eu nunca deixei ninguém ver o quanto me incomodava que vadias o tocassem, ou pior, dormissem com ele. Mas hoje eu não fui capaz de me esconder atrás daquelas paredes que havia construído para momentos como este. Eu estava grávida de seu bebê, porra! Ele havia passado horas fazendo-me gozar em seus braços na noite anterior.
Assim, enquanto ele sorriu, riu e as deixou tocar-lhe, eu me virei e fui embora. Ciúme comeu-me como uma doença e eu estava tão puta por ele deixá-las tocar nele, por deixar que elas me empurrassem para longe como se fosse insignificante. A parte mais racional do meu cérebro tentou desculpá-lo. Tentou me fazer ver que ele estava apenas fazendo o papel, sendo charmoso para suas fãs. Mas quando se tratava da maioria das fãs femininas dos Asas do Demônio eu me perguntava se elas sequer ouviam sua música. Ou era apenas sobre entrar na cama de um roqueiro quente? Pelo que tenho testemunhado ao longo dos anos, o último era mais ao longo das linhas da verdade do que o anterior.
Meu celular começou a tocar Ashes dos Asas do Demônio e eu encarei a maldita coisa na minha mão vendo o rosto de Joe sorrindo para mim na tela do iPhone. Em vez de responder, peguei o elevador e subi para o segundo andar. Eu não poderia enfrentá-lo agora. Não havia como dizer o que eu faria se o visse naquele momento.
Dar um tapa em seu rosto excessivamente bonito? Joelhada nas bolas? Confessar que eu estava obsessivamente apaixonada por ele? De jeito nenhum eu faria isso. Já era ruim o suficiente que ele soubesse o quanto eu o queria.
— Demi? — Eu não olhei sobre o trilho quando o ouvi freneticamente chamando meu nome a partir do nível do solo. Deixe-o se preocupar. Dê-lhe cinco minutos e ele estaria cercado por meninas de novo e eu seria apenas uma reflexão tardia. Foda-se, e foda-se!
Uma loja chamou a minha atenção e eu entrei sem pensar nisso. Agora, este era o meu tipo de loja! Renda preta, correntes, seda e malha. Oh, sim, porra! Havia uma garota temperamental atrás do balcão que levantou a cabeça para franzir a testa para mim quando entrei. Ela tinha algum tipo de revista de rock no balcão à sua frente e depois de decidir que eu não valia a pena o seu tempo voltou para o artigo na frente dela.
Eu me perdi na compra de roupas. Calcinha preta sexy, sutiãs a combinar. Ligas. Um vestido preto que gritava que tinha sido feito para mim. Uma saia com correntes que prendiam as partes juntas. Tops que mostravam meus novos ativos. Sapatos, sapatos e mais sapatos que combinavam com todas as minhas roupas sombriamente quentes.
Me certifiquei de comprar tudo um tamanho maior para que tivesse um pouco de espaço para crescer uma vez que a minha gravidez ia começar a mostrar em breve. E quando tentei sapatos, descobri que um tamanho maior e mais amplo era necessário, mas isso não me surpreendeu. Eu tinha lido sobre os pés de algumas mulheres que cresciam assim quando estavam grávidas. Era estranho, mas verdade.
A garota atrás do balcão me deu um olhar quando eu joguei minhas coisas em cima do balcão.
— Você achou o que estava procurando? — Ela perguntou.
Avaliei seu cabelo tingido de preto, os piercings no nariz e sobrancelha, a tatuagem de um demônio em seu antebraço direito e me senti como se tivesse encontrado uma alma gêmea. Se eu tivesse conhecido esta menina enquanto crescia, ela teria provavelmente acabado minha melhor amiga.
— Tudo o que tenho são jeans e estúpidas camisetas dos Asas do Demônio. Era hora de uma mudança.
Os olhos da moça se estreitaram em mim.
— Camisetas dos Asas do Demônio não são estúpidas. Eu tenho seis.
— Então, você tem gosto excepcionalmente bom para música. Mas eu precisava de algo que gritasse ‘sexy’, não menina do rock. — Ela começou a tocar as minhas roupas e me virei para a prateleira de joias atrás de mim. Havia pequenas coisas baratas, algumas delas apenas 20 dólares no máximo. Mas eram lindas. Um demônio sexy com suas asas e chifres em prata manchada pendurado em uma corrente me chamou a atenção e joguei isso em cima do balcão com o resto das minhas coisas. A prateleira com os anéis de umbigo foi a próxima e encontrei vários que eu gostava. Alguns brilhantes para o nariz e eu tinha terminado.
Havia oito sacos cheios no momento em que a menina terminou de registrar as minhas coisas no computador. Entreguei o cartão de crédito e vi os olhos da garota arregalarem quando viu o nome no cartão.
— Joseph Jonas? — Ela cuspiu e me deu um olhar mais atento. — É você. Eu pensei que você parecia familiar. Você é Demetria Lovato!
Eu sorri para a garota. — Sim.
— Você tem que ser a garota mais legal do maldito mundo. — Ela passou o cartão antes de devolvê-lo. — Eu amo esse cartaz dos Asas dos Demônio com você agarrada ao Nick. Droga, eu mataria para ser você.
Isso fez o sorriso desaparecer.
— Não. Não, você não mataria. — Eu assegurei-lhe. Minha vida podia parecer perfeita agora, mas ninguém jamais deseja a vida que eu tive enquanto crescia. Ninguém merecia esse tipo de infância cheia de pesadelos.
Houve uma comoção do lado de fora da loja e me virei para encontrar três seguranças do lado de fora com um Joe pálido e frenético. Olhei para meu celular e vi que tinha estado na loja por mais de uma hora. Porra! — Joe! — Eu chamei quando ele começou a passar a loja.
Sua cabeça girou e ele moveu-se mais rápido do que eu já tinha visto quando entrou na loja e me puxou contra seu peito. Seu corpo inteiro estava tremendo, seus dedos tremendo enquanto agarravam no meu cabelo e empurravam minha cabeça para trás para encontrar seus olhos azuis.
— Você nunca mais faça isso comigo!
A maioria da minha raiva havia desaparecido enquanto eu estava comprando, por isso levantei-me e dei-lhe um beijo no rosto.
— Pensei que você estava se divertindo demasiado com o clube de fãs para sequer perceber.
Seus olhos se estreitaram.
— Você está com ciúmes?
Eu me afastei dele e me virei para a menina atrás do balcão que estava olhando para Joe maravilhada. Não me incomodava neste momento. Eu sabia que essa menina era uma verdadeira fã da banda, não apenas da aparência dos caras. Eu li seu crachá e dei-lhe um sorriso agradecido.
— Obrigada por toda a ajuda, Beth. Joe, Beth foi uma ajuda imensa hoje. Gastei três mil, sem sequer perceber.
Joe levantou uma sobrancelha, mas ofereceu à menina um sorriso.
— Obrigado, Beth.
Eu retirei um dos tops que tinha acabado de comprar, um cinza, e estendi a mão para o marcador no balcão, ao lado do computador. Eu escrevi meu nome nas costas e depois entreguei o marcador para Joe sem olhar para ele.
— Escreva o seu endereço para mim e eu vou lhe enviar o cartaz que você gosta tanto com os autógrafos dos caras.
— Isso... — Ela balançou a cabeça. — Isso seria fantástico. Obrigada!
Dei de ombros, olhando enquanto ela rabiscava em um pequeno pedaço de papel.

— Não é nada. Eu gosto de conhecer os verdadeiros fãs dos Asas do Demônio. Obrigada novamente. — Joe pegou os oito sacos e me seguiu para fora da loja com uma piscadela para a garota.

2 comentários:

  1. To apaixonada por essa fic ja ta acabando #bubu
    mesmo assim
    Posta logooooo
    Beijos!!!

    ResponderExcluir